Guia do travesseiro: fatores para considerar na hora de escolher

Launcher do sistema / Dicas / Guia do travesseiro: fatores para considerar na hora de escolher

Guia do travesseiro: fatores para considerar na hora de escolher

1. Matéria-prima

Para começo de conversa, a mesma regra que levamos em conta para a escolha do colchão vale no caso do encosto da cabeça: ele não pode ser molenga nem muito duro. E, apesar de o material que preenche o travesseiro estar muito associado a esse aspecto, a informação não precisa ser levada a ferro e fogo. Ora, os recheios menos densos tendem a ser macios demais, mas isso pode ser compensado com um volume maior do material. Já os compactos, apesar de evitar a invasão de ácaros e substâncias causadoras de alergias, são mais duros mesmo. Na dúvida, fique com aquele que traz maior sensação de relaxamento. Conheça alguns a seguir.

Espuma

Divide opiniões de ortopedistas: muito duro para uns, com a densidade ideal para outros. Há modelos de todos os tipos – alguns até se adaptam ao formato da cabeça.

Látex

Dá um bom suporte. Porém, o material tende a esquentar. Por esse motivo, normalmente se recomenda o uso de uma capa de algodão.

Ortopédico

Feito para quem tem problemas de postura, costuma ser duro demais para o público em geral. E, se não oferece conforto, fica difícil pegar no sono.

2. Altura

Ao dormir de lado, o travesseiro deve ser alto o suficiente para manter a espinha alinhada. O erro nesse cálculo resulta em uma posição incorreta durante o sono e, claro, incômodos no dia seguinte. Prefere apagar de barriga para cima? Então melhor usar um encosto mais baixo, que não deixe o pescoço projetado para a frente. “O ideal é buscar um travesseiro com densidade de 29 a 34 e com altura de aproximadamente 10 centímetros”, resume o ortopedista Robert Meves, chefe do Grupo de Coluna da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

3. Temperatura

Escuta esta: um estudo sul-coreano das universidades de Gyeongsang e de Sahmyook aponta que uma característica crucial do travesseiro amigo do sono é manter nossa cabeça fresquinha. “No geral, o indicado para dormir é uma temperatura um pouco abaixo da do ambiente”, diz o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho, presidente da Associação Brasileira do Sono. Na pesquisa, ficou constatado inclusive que as versões recheadas de pluma de ganso e espuma levavam a um maior aumento de temperatura. Se esses forem seus materiais preferidos, fique tranquilo: as capas de tecido, como a de algodão, ajudam a refrescar a cuca.

4. A tal fronha

Pensa-se muito no tipo de material que vai para o interior do travesseiro e pouco no que está do lado de fora. Mas é com a fronha que nossa pele trava um contato direto, e, por isso, buscar um tecido que não provoque irritação é fundamental. Geralmente, indicam-se os mais suaves – passe longe de látex ou borracha. Até a estampa entra na conta. Isso porque as cores escuras podem conter tinturas que aumentam o risco de reações alérgicas. Logo, não arrisque. Fique com a clássica fronha branquinha.

5. Pode ser cheiroso?

Por proporcionarem o ambiente adequado ao desenvolvimento de ácaros, os travesseiros sempre visitaram o banco dos réus no caso de alergias respiratórias. Aí veio a solução: apostar em capas impermeáveis e preenchimentos compactos. Tudo parecia perfeito, até que surgiram os exemplares com ervas cheirosas. Por causa deles, o bem-estar do aparelho respiratório voltou a ser ameaçado. “Além de temperatura e poluição, outro fator capaz de desencadear uma crise é a irritação causada pelo odor de um perfume”, explica o alergista Fábio Castro, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai).

6. Troca-troca

Mudar de travesseiro é ótimo porque, com o tempo, eles ficam deformados e cheios de micróbios. Porém, não existe um tempo exato de vida útil para esse amigo noturno – estima-se que gire em torno de dois anos. Entretanto, há estratégias para afastar os ácaros da área. Uma é evitar ao máximo que o travesseiro fique úmido. Então, nada de mergulhá-lo na água. Já o sol é pra lá de desejado: exponha o acessório aos seus raios pelo menos três vezes por semana. “Esse hábito, que caiu em desuso, é superimportante na prevenção de alergias”, informa o alergista Paulo Belluco, também da Asbai. 

Fonte: M de Mulher

Postagens recentes

Deixe um comentário

Contact Us

We're not around right now. But you can send us an email and we'll get back to you, asap.

Not readable? Change text. captcha txt

COMECE A DIGITAR E PRESSIONE ENTER PARA PESQUISAR